Adquirentes, Subadquirentes e Getways: O que isso Significa?

De acordo com o relatório de Vigilância do Sistema de Pagamentos Brasileiro, divulgado em 2015, pelo Banco Central, o uso dos cartões de crédito e débito vem aumentando e tem se tornando a primeira opção na realização de compras, principalmente, online. De acordo com o relatório, o uso do cartão de crédito apresentou um aumento de 9% e o uso do cartão de débito registrou um aumento de 12%, quando comparados com o ano de 2014.

Para vendedores que estão focados em começar seu negócio através de uma plataforma online, esta é uma tendência que não pode passar despercebido, pois afetará diretamente as vendas realizadas pela sua loja online ou e-commerce. E ao entrar nesse mundo alguns conceitos passarão a estar sempre presente no dia a dia da sua empresa. No post de hoje você irá conhecer três desses termos e entender melhor a importância de cada um deles, confira!

Esses conceitos são importantes para te manter ligado ao mercado e por dentro de tudo que acontece no mundo dos negócios digitais. Se você nunca ouviu falar sobre esses termos e quer abrir um negócio ou se já ouviu falar mas ficou muito perdido, continue lendo e entenda o que essas palavras querem dizer.

Adquirentes

São os responsáveis por mediar as transações financeiras realizadas pelo cartão de crédito ou débito. Elas possuem uma grande influência no mercado de meios de pagamento e alguns exemplos de adquirentes no brasil são: REDE, CIELO, GLOBAL Payments, entre outras.

Estas adquirentes fazem a comunicação entre as bandeiras dos cartões e os bancos que a emitem, por exemplo, os cartões com bandeiras Visa, MasterCard, ELO que são de responsabilidade dos bancos Itaú, Bradesco e Santander. Resumidamente, o adquirente é o responsável por operar os cartões de crédito dentro do sistema de pagamento, fazendo a ligação entre as partes envolvidas, sendo representada por nada mais que as maquinas de cartão encontradas nos estabelecimentos.

Basicamente, o que o adquirente faz, então é: pegar a informação de pagamento do cliente, repassar para os bancos/bandeira do cartão utilizado as informações da compra. Essas informações podem ser passadas de forma direta ou utilizando um Gateway, no qual é realizada uma cobrança em porcentagem pela venda. Este é exatamente o próximo conceito a ser apresentado aqui:

Gateway de Pagamento

Entende-se, nesse caso, como o responsável que faz o processamento do pagamento de forma online. Ele é o responsável por fazer a transação de informações e do pagamento. Ele é utilizado no formato de software e processa diversos tipos de pagamento, não somente o em cartão (exemplo: boleto bancário, débito em conta corrente e subaquirentes).

O gateway funciona, então, como uma ponte que liga dois lugares. Resumidamente, a loja online faz uso de gateways para fazer a ponte entre loja e adquirentes passando as informações necessárias. O gateway foi revolucionário no e-commerce, pois é capaz de fornecer pagamentos onlines de forma transparente tanto para os clientes quanto para os
lojistas.

O que difere o uso do gateway do uso direto de adquirentes e subadquirentes é que para uso do mesmo a cobrança é feita em transações e não por porcentagem. Depois de tanto falar dos subadquirente, vocês já devem imaginar o seu papel dentro desse sistema de pagamento, de toda forma esse é o próximo termo que você irá conhecer.

adquirente gateway subadquirente

Conheça as figuras do Adquirente Gateway de Pagamento e Subadquirente

Subadquirentes

O subadquirente faz a intermediação dos pagamentos. Ele está entre adquirentes, clientes e lojistas. Apesar de custar menos para sua implementação no comércio, eles cobram mais em taxas, uma vez que além de cobrar as tradicionais porcentagens, também cobram tarifa por transação, por isso é mais utilizado por comércios menores pois não possui uma grande complexidade para cumprir seu papel.

Resumindo, o subadquirente é quem vai transportar de um lado para o outro as transações financeiras, os sistemas antifraude e fazer o repasse das vendas. A maior diferença entre gateways e subadquirentes está na forma em que as vendas são administradas.

Nesta opção o dinheiro provindo da venda passa pelos subadquirentes que, então, descontam as taxas cobradas por eles e repassam o dinheiro para os lojistas. Alguns exemplos já utilizados no mercado são o PagSeguro e o Paypal.

Estude o seu tipo de negócio e a proporção que ele terá para escolher dentre as opções de mercado a que melhor se encaixa na sua empresa. Para transações de maior agilidade e para um comércio menor, as subadquirentes são recomendados, enquanto para uma rede de lojas, ou um comercio mais abrangente que o público local, o uso de gateways são mais indicados. Ficou com alguma dúvida? Coloca aqui nos comentários que teremos o maior prazer de te ajudar nessa pesquisa.

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *